Pholia Roja 200mg - 60 cápsulas



Ref. 19082

De R$ 100,00

Por R$ 90,00

Opções de Parcelamento:

1x R$ 90,00 sem juros
2x R$ 45,00 sem juros
3x R$ 30,00 sem juros

R$88,20 no boleto

Em estoque: sim

Parcele em até 3x sem juros

R$12,00 (Grande São Paulo)




Pholia Roja 200mg - 60 cápsulas 


Desacoplador de Gordura

                                                                                           

PARA QUE SERVE PHOLIA ROJA

A Pholia Roja é um fitocomplexo formado pelos marcadores das espécies do gênero Baccharis com L. sinensis, essa combinação serve como coadjuvante no tratamento e prevenção da obesidade e síndrome metabólica.


                                                                                       

COMO FUNCIONA PHOLIA ROJA

Pholia Roja funciona como desacoplador de gordura, aumenta a capacidade antioxidante e reduz a biossíntese de tecido adiposo, por meio do mecanismo de desacoplamento de prótons, na formação ATP mitocondrial, resultando em aumenta o gasto de energia e promovendo a perda de peso, principalmente na redução da obesidade abdominal.

Pholia Roja emagrece, pois reduz a formação do tecido adiposo e reforça a capacidade antioxidante do organismo.

Os benefícios da pholia roja são: Diminuir a biossíntese do tecido adiposo; Reduzir medidas abdominais; Promover perda de peso; Faz com que as células consumam mais glicose e gordura que o normal, evitando assim a formação do tecido adiposo. Os resultados e indicações referentes ao uso desse produto foram avaliados e comprovados pelo fabricante deste insumo farmacêutico e por estudos que comprovam a ação dos mesmos, conforme descrito nas referências bibliográficas. 


INDICAÇÕES

• Inibidor de apetite;

• Redutor de gordura abdominal;

• Evita acúmulo de gordura;

• Redução de gordura.   

                                                                                                                                                               

COMPOSIÇÃO 

Pholia Roja   200mg

Excipiente q.s.p 1 cápsula. 

                                                                                                                                                                                         

MODO DE USAR

Tomar 1 cápsula 2 vezes ao dia.

                                                                                                     

VALIDADE

4 Meses

"Venda sob prescrição de profissional habilitado, podendo este ser o nosso farmacêutico de acordo com a Resolução 586/2013 do Conselho de Farmácia. Consulte-o!"



ADVERTÊNCIAS

1. Nunca compre medicamento sem orientação de um profissional habilitado.

2. Pessoas com hipersensibilidade à substância recomenda-se descontinuar o uso e não ingerir o produto.

3. Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. 

4. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

5. Este medicamento não deverá ser aberto ou mastigado.

6. Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica.

7. "Se persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado".

8. Manter em temperatura ambiente (15 a 30ºC). Proteger da luz, do calor e da umidade. Nestas condições, o produto se manterá próprio para o consumo, respeitando o prazo de validade indicado na embalagem.

9. Imagens meramente ilustrativas. 

10. Não use o medicamento com o prazo de validade vencido.

11. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.

12. Embora não existam contra indicações relativas a faixas etárias, recomendamos a utilização do produto para pacientes de idade adulta.

13. O uso do medicamento durante o período de amamentação também não é recomendado.

14. Este medicamento não deve ser utilizado por menores de 18 anos sem orientação médica.

15. "Os resultados e indicações referentes ao uso desse produto foram avaliados e comprovados pelo fabricante deste insumo farmacêutico. Não garantimos os resultados descritos, estes variam de pessoa para pessoa dependendo de diversos fatores como alimentação, prática de exercícios físicos, presença de outras patologias, bem como, o  uso correto do produto conforme descrito na posologia.” 

                                 

REFERÊNCIAS

1. 1. ABAD, M.J et al. Antiviral activity of Bolivian plant extracts. Gen Pharmacol 32: 449-503, 1999.

2. AGOSTINI, F et al. Estudo do óleo essencial de algumas espécies do gênero Baccharis (Asteracceae) do sul do Brasil. Ver Bras Farmacogn 15: 215-220, 2005. 

3. ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina – bases clínicas y farmacológicas. ISIS Ediciones S. R. L., Buenos Aires, Argentina. Págs 350-354, 1998. 

4. ARAUJO, F .; Yamada, A. T .; ARAUJO, M. V .; LATORRE, M. R.; MANSUR, A. J. Lipidic profile of individuals without cardiopathy with overweight and obesity. Arquivos brasileiros de cardiologia, Rio de Janeiro, v. 84, p. 405409, 2005. 

5. BARBOSA-FILHO, J. M et al. Plants and their active constituents from South, Central and North America with hypoglycemic activity. Rev Bras Farmacogn 15: 392-413, 2005. 

6. BERNARDIS, L. L., & PATTERSON, B. D. (1968). Correlation between 'Lee index' and carcass fat content in weanling and adult female rats with hypothalamic lesions. Journal of Endocrinology, 40(4), 527-528. 

7. BRAY , G. A. Obesity: Definition, diagnosis and disadvantagens. The medical journal of Australia, Sydney, v. 142, S2S8, 1985. 

8. BOUCHARD, C.; TREMBLAY , A. The response to long term over feeding in identical twins. 

9. New England journal of medicine, Massachusetts, v. 322, p. 14771482, 1990. 

10. CHICOUREL, E. L et al. Contribuição ao conhecimento analítico de três compostos medicinais. Rev Brasi Farmacogn 78: 59-66, 1997/1998. 

11. COELHO, M. P . G et al.; Anti-arthritic effect and subacute toxicological evaluation of Baccharis genistelloides aqueous extract. T oxicol Lett 154:69-80, 2004. 

12. DE LAS HERAS, B. Antiinflammatory and antioxidant activity of plants used in traditional medicine in Ecuador. Journal of ethnopharmacology, USA, v. 61, p. 1616, 1998. 

13. FERESIN, G. E et al. Antimicrobial activity of the Argentinian medicinal plant Baccharis grisebachii (Asteraceae). Journal of Ethnopharmacology, USA, v. 89, p. 73–80, 2003. 

14. GENÉ, R. M et al. Anti-inflamatory, and analgesic activity of Baccharis trimera: identification of its active constituents. Planta Med 62: 232-235, 1996. 

15. GONZALES, E et al. Gastric cytprotection of Bolivian medicinal plants. J. Ethnopharmacol 10: 329-333, 2000. 

16. GUERRA, R. L. F . Nutrição e exercícios na prevenção de doenças. Rio de Janeiro: Médica e Científica, 2001. 

17. GUIMARÃES, S F . Estudos de calogênese in vitro e dos efeitos do manejo fitotécnico no crescimento e na produção de óleo essencial em plantas de carqueja. [Baccharis trimera (Less) D.C.]. 128 f. Dissertação. (Mestrado) Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2001. 

18. GUPTA, M. P . 270 Plantas medicinales Iberoamericanas. Editorial Presencia Ltda, Santafé de Bogotá, Colombia. 1ª edición, pág. 79, 1995. 

GUS, M. (1998). Associação entre diferentes indicadores de obesidade e prevalência de hipertensão arterial Arquivo Brasileiro de Cardiologia, 70(2), 111-114. 

19. GUYTON, A. C. Tratado de fisiologia humana. 10. ed . Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 

20. HERZ, W et al. New ent-clerodane-type diterpeneids from Baccharis trimera. J. Org. Chem 42: 3913-3917, 1977. 

21. HEYWARD, V .; STOLARCZYK, L. Avaliação da composição corporal aplicada. 2. ed. São Paulo: Manole, 2000. 

22. HNATYSZYN, O. Argentinian plant extracts with relaxant effect on the smooth muscle of the corpus cavernosum of Guinea pig. Phytomedicine, USA, v. 10, p. 669674, 2003

23. JACKSON, A. S.; POLLOCK, M. L. Pratical assesment of body composition. Physical sport medicine, USA, v. 13, p. 7690, 1985. 

24. KNOWLER, W. C.; PETTIT , D. J. Obesity in the pima indians: its magnitude and relationship with diabetes. The american journal of clinical nutrition, Bethesda, v. 53, p. 15431551, 1991. 

25. LORENZI, H. Plantas daninhas no Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. 3. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2000. 

26. LOTUFO, P . A. Mortalidade precoce por doenças do coração no Brasil; comparação com outros países. Arquivos brasileiros de cardiologia, Rio de Janeiro, v. 79, p. 321325, 1998. 

27. MATOS, F . J. A.; LORENZI, H. Plantas Medicinais no Brasil – nativas e exóticas. Nova Odessa: Ed Plantarum, 2002. 

28. McARDLE, W. D. Fisiologia do exercício. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003. 

29. MARINS, J. C. B.; GIANNICHI, R. S. Avaliação & prescrição de atividade física: guia prático. 3. ed. Rio de Janeiro: Shape, 2003. 

30. NAKASUGI, T .; KOMAI, K. Antimutagens in the Brazilian folk medicinal carqueja (Baccharis trimera Less). J. Agric Food Chem 46: 2560-3564, 1998



Para avaliar este produto é necessário estar logado!clique aqui para entrar

Avaliar







...

Produtos relacionados:





    O prazo para manipulação dos produtos é de até 3 dias úteis a partir da confirmação do pagamento.